Quarta-feira, 10 de Outubro de 2007
Cheio de novo

Espreguicei-me, estiquei os meus aros e senti a madeira a expandir-se, todos os seus nós e fissuras deram um pouco de si. Já não sou novo quanto outrora mas ainda me mexo bem e afinal para o meu “mister” quanto mais velho melhor, mais apurado fico, melhor néctar produzo.

Soube-me bem esta soneca de quase quatro meses. Lá fora já oiço as vozes agudas das mulheres acompanhadas nos seus cânticos pelos graves dos homens. Já começou a vindima, tal como o urso que hiberna de inverno, eu hiberno no verão, depois de vazio e limpo adormeço e preparo-me para a nova colheita.

Olá cá estás tu, já há algum tempo que não te via, vens ver como estou e preparar-me para receber o néctar que já oiço correr no lagar ali ao lado. Sinto-me limpo quase novo pronto para o receber ... espero que seja tão bom quanto o anterior que tantas alegrias deu aqui nesta adega onde me encontro.

E esse teu verão como foi? O meu foi muito sossegado mal me visitas-te. Estás moreno, muita praia? Olha que o sol faz mal, se a mim me deixa seco como uma cortiça o  que fará a essa tua pele sensível.  Mas o olhar continua o mesmo, esse olhar profundo que tanto cativa. Também estás mais velho, afinal o tempo também passa para ti, já se notam aqui e ali alguns cabelos brancos e um pouco mais gordinho também, que andaste a fazer?

Olha quem vem ali carregado com um almude desse precioso liquido com que me vão encher, o teu, o nosso amigo engenheiro. Homem de boas qualidades com uma embocadura do tamanho do mundo e até a caldeira dele está um pouco maior. Deve ser por causa dessa minha concorrente de verão a cerveja, essa malfadada bebida fermentada de cereal que só provoca gazes e grandes barrigas e para deixar um pouco alguém alegre é preciso consumir em grandes quantidades. Só a bebem porque é servida fresca e é leve. Enfim, nada como um bom vinho para acompanhar uma boa refeição e deixar uma pessoa satisfeita.

Sinto-me novamente cheio,  vou ficar a fermentar e a pensar no inverno e nas farras que se aproximam, este ano promete. Espero que este ano o néctar seja realmente produto dos deuses.

 

Venho do campo,
o comboio o meu cavalo
que me carrega até à cidade
a net a minha auto estrada
onde me liberto do stress
venho do campo
onde as ovelhas brancas pastam
aqui e ali negras sarapintam os pastos
são especiais
mais alegres e brincalhonas
venho do campo
onde o tempo parou
a cidade?
essa ficou lá bem ao fundo
longe das memórias
de quem fica no campo.

 

publicado por Passo às 10:41
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Sutra a 10 de Outubro de 2007 às 15:16
ehehe só agora me apercebi...
Bj doce
De Passo a 11 de Outubro de 2007 às 13:08
atrevia-me a perguntar .. do k linda, do k é q so te apercebeste agora??
De Rui a 31 de Outubro de 2007 às 11:13
A bela da curiosidade que por aqui ficou... :) Excelente blog!!!


Convido-te a passar pelo meu blog:
http://blogpredilecto.blogspot.com

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
.posts recentes

. Sozinho

. Magusto

. Cheio de novo

. Até breve

. Desabafos

. Vazio

. Mosquito

. Saudades

. Ontem renasci

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

blogs SAPO
.subscrever feeds